Boi Voador não Pode

In Notícias

O amor nunca acaba – devo desmentir o Paulo Mendes Campos. Quando jovem, o amor nos carrega em seu colo. Ao passar dos anos, ainda jovem, ele nos senta em seu colo. É assim, e indo. Com os pais, com o filho, com o consorte. Amor não acorda sempre de manhãzinha bocejando primavera. Amor não dorme sempre de noitinha protegendo os olhos com o outono. Amor, às vezes, nos toma o agasalho na geada do inverno. Outras vezes, em pleno verão, nos unta no forno do ladinho do bolo de fubá. O cheiro é desmedido.

Talvez, Rafael Nadal saiba disso. Há mais de uma década ele tem transformado o “sacudir a poeira dos pés” numa missão inabalável. Julgo, numa saga obstinada como orientou o Redentor aos seus discípulos. Nadal fez da terra a casa, do bastão a raquete, abandonou a túnica que disfarça o comodismo e permitiu-se as sandálias – as que nos lembram dos pés no chão e do pó que, ora e outra, se deixa e se carrega pelo caminho.

Desde que aportou para o mundo do Tênis sem melindres com bermudão e regata, exacerbando todo seu vigor físico e mental, Rafael Nadal esfregou na cara dos de dentro e fora da quadra que o atleta genuíno é, acima de tudo, uma cruz repleta de fé ou, em outras palavras, uma entrega absoluta do espírito àquilo que se crê como verdadeiro. Ele é uma cruz em quadra. Pesada para uns, impossível de ser carregada por legiões. Nunca vi um adversário do espanhol entrar em quadra com semblante de quem dormiu a noite toda e sonhou com as ninfas. Nem o sérvio, Novak Djokovic, quando ostentando uma cruz no peito, e a beijando, jogou um Tênis ímpar e impecável – físico, técnico, tático e mental – o único modo de fazer o espanhol perder a insígnia e padecer de uma derrota acachapante. Mas, ao menos por enquanto, Rafael pode prosseguir flutuando com o arcanjo que carrega o seu nome, pois Djokovic tem preferido abraçar árvores sob o domínio de outro espanhol, Pepe Imaz, um guru que se denomina instrutor de Tênis. De Tênis clausura, só pode. Na verdade, entra e sai ano, os adversários do espanhol parecem viver um pesadelo na noite anterior e durante o confronto, com direito a entrarem de pamonha na quadrilha – plena de bandeirolas, fogueira, pau-de-sebo e balões de São João.

Não posso garantir que eu teria tido uma lua cheia de sonhos se eu fosse o Roberto Carballes, que enfrentou hoje Rafael Nadal. Ao longo dos anos, não bastasse a excelência física, mental e tática, o espanhol aprimorou seu arsenal técnico. Do saque à rede; longe de ser uma referência nesses quesitos, mas tão, tão, tantão mais longe e impossível de ser um panga. O adversário de Nadal vive um dilema – se devolve a bola de qualquer jeito, leva um safanão de jeito; se encarna o Tênis Porcentagem no que diz respeito a se posicionar para devolver a bola sempre na bissetriz do ângulo formado pelas prováveis trajetórias da bola (permitindo pouco ângulo para o espanhol arriscar uma winner ou executar um contra-ataque – onde mais predomina sua linha de conforto), corre o risco de mesmo evitando correr desnecessariamente, se cansar, chegar atrasado e entregar o quentão, pois Nadal é perito neste assunto e vai amar trocar bolinhas em ritmo de bolero do lero-lero. Roberto – não o Rei, sucumbiu em cadência de aquecimento levada no banho-maria pelo experiente Nadal.

O próximo adversário de Rafael precisará surpreender fora da cartilha, com lances típicos de um gari carnavalesco que dança e varre a linha, se quiser ter alguma chance. Porque prendê-lo numa corda bamba exige o máximo de qualquer esportista. Duvido que jogando o básico, algum tenista consiga pegar o Rei de contrapé. Ao menos na gira do saibro, Rafael Nadal não parece ter adversários que possam incomodá-lo, tampouco alcançá-lo. Nem em Roland Garros 2099 se lá estiver! – sem morder a taça, como diria um amigo, para não perder a dentadura. Amarrar o Boi, só os que se entregam, no mínimo, de coração na partida. Algo que Nadal nunca deixou de fazer em cada bola, em cada lance. Entra e sai geração só se vê Boi Voador. Pode, ou não pode? Para mim, pode.


Quem foi, quem foi que falou do boi voador
Manda prender esse boi
Seja esse boi o que for
Quem foi, quem foi que falou do boi voador
Manda prender esse boi
Seja esse boi o que for

O boi ainda dá bode
Qual é a do boi que revoa
Boi realmente não pode voar à toa
É fora, é fora, é fora
É fora da lei, é fora do ar
É fora, é fora, é fora
Segura esse boi
Proibido voar
É fora, é fora, é fora
É fora da lei, é fora do ar
É fora, é fora, é fora
Segura esse boi
Proibido voar

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Assine nossa Newsletter!

Nós amamos contar sobre nossas novidades. Assine a newsletter!

You may also read!

Instituto tênis

Intensivo de Treinamento Pré-Temporada no IT

Em Dezembro e Janeiro, o Instituto Tênis realizará semanas de intensivo de treinamento/pré-temporada. Devido aos interesses dos pais e

Read More...
Fed Cup 2020

Promoção do sorteio da Fed Cup 2020

Dezesseis países vão descobrir quem eles vão enfrentar nas qualificatórias da Taça Fed BNP Paribas em fevereiro do próximo

Read More...
Atleta Hanny Monteiro

Hanny Monteiro Uberlândia

  A tenista alagoana Hanny Monteiro, de 10 anos, disputará o Campeonato Brasileiro Infanto Juvenil de Tênis, que será realizado

Read More...

Mobile Sliding Menu